quarta-feira, abril 06, 2011

Ora aí está :a tempestade perfeita.

Tenho vindo a pregar no deserto. O problema das dívidas soberanas, versus especulação, está a tingir dimensão tal que acabaremos mergulhados numa catástrofe trans- nacional.

Anda para aí numa discussão do sexo dos anjos. Há muito que clamo que o problema é Europeu, e que a bancarrota não é de um país periférico, e pequenino, mas de todos eles, uns atrás de outros .A moeda euro cairá por aí abaixo e o colapso bancário será inevitável.

Ma atente-se. Hoje já começou o assalto especulativo á divida soberana dos EUA.E aqui é que poderá ser a tempestade mais do que perfeita.

Os que nos têm tentado convencer que a divida soberana de Portugal é uma enormidade(94% do PIB - até não é exactamente assim-) ,escamoteiam(porque não creio que o não saibam ) que ela está, até, abaixo do nível de uma grande parte dos Países Europeus.

O problema é outro.

É o sistema capitalista levado ao extremo que se está a afunda.Faliu (Marx dixit). Agora não há muro de Berlim para pôr abaixo.A verdade é que agora serão muitos muros ,tantos quantos os países do mundo capitalista ocidental ,a derrubar os seus muros.

Por isso, ou muda-se o sistema ,ou teremos um sublevação catastrófica, por acção daqueles que foram levados ao total extermínio económico-financero .

É inevitável .E o que espante e me leva à revolta é que os causadores desta situação especulativa, que encheram as maquias venham agora com desplante absoluto exigir ao Estado que peça (para eles, certamente dando o Estado(nós!) as garantias ) uma boa maquia de dinheiro. Ora de vez as responsabilidades dos accionistas dos Bancos e as suas fortuna é que deverão responder pelos empréstimos tal como eles negoceiam com as empresas suas clientes. Dando uma corda a quem lhes der um porco.
Ou se arranjo um novo sistema ,ou o descalabro estará aí para o ano. E as eleições imbecis que andamos a tratar só virão atrapalhar..

SF

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...