sexta-feira, maio 01, 2015


 
Pikkety ...e (de novo)  o CAPITAL

Ouvi com muito interesse e com deleite, a entrevista a Thomas Piketty, de quem, aqui há um ano, referenciei e sugeri  a leitura do best seller(16 milhões de livros vendidos.) «Capital  no século XXI» (agora já em português)

De Piketty, diz-se ser uma das mais brilhantes cabeças do século. Um  economista que privilegia o papel da história na investigação económica, analisando o passado,  para desmontar o presente. Para então  propor o futuro. Tipo brilhante. Explicando (como já o tinha feito no livro) matéria tão complexa de um modo tão simples e cativante. Ao alcance de qualquer cabeça pensante.  

E é claro,reafirma: com austeridade nada se resolve.Com inflação zero ,nunca pagaremos a divida. As dividas publicas são pagas(?) -explica  - de diversa maneira, mas poucas ou nenhuma vez «a contado».

Toda a estrutura politica europeia está errada, declara.E logo explica porquê. Soberanamente evidente. E logo acrescenta: - não é um País, mas (tem de ser) um grupo de Países alinhados que terão de mudar a arquitectura europeia.

Coisas tão evidentes, que nos deixam perplexos porque (e beneficiando quem?) estamos a teimar na formula errada.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Nóvoa... ou névoa a dissipar-se

Não estou muito preocupado com as eleições presidenciais. estou muito mais temeroso, isso sim, com as legislativas. Quando já se elogia Dias Loureiro na antena  partidária,tudo é possivel vir a suceder .O mundo é dos que não têm vergonha.

Neste avanço de candidatos, vejo com interesse sair do nevoeiro, o Nóvoa. Gosto do seu raciocínio, gosto da sua postura, gosto das suas ideias.

Vou seguir com atenção....E ver, se sujeito à pressão, é homem para se aguentar.

Uma coisa tenho certa desde já: Nóvoa pensa com a cabeça...Cavaco pensa com os pés...

E se de dentro do nevoeiro......(nada...nada...deixem....)

SF

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...