quinta-feira, março 29, 2018



Regeneração e regeneradores vintistas ilhavenses


Ao que ouvi,a CMI vai festejar no próximo feriado Municipal(segunda feira, dia 2 de Abril-felizmente não é dia 1!),com pompa e circunstância a Regeneração do Concelho de Ílhavo .Uma espécie de libertação ,talvez no seguimento (parecem fazer crer) de terrível e sangrenta luta acontecida nas Ribas Altas, luta fratricida que “libertou” do jugo “cagaréu”, o concelho.
Esta versão já a ouvi de bocas de “historiadores” encartados, daqueles mestres que põe nas suas frases circunloquiais, o saber académico que prece intocável.
Creio que fui,no meu Ílhavo Ensaio Monográfico -.Séc- X ao Séc.XX – a primeira pessoa que coloquei ,em termos públicos, a questão, que nada teve de anexação desejada por Aveiro, mas tão só resultante de uma decisão politica a nível central, de carácter administrativo, que expus, então.
Julgo útil recolocar aqui a questão, para termos da história uma versão menos panegírica e menos demagógica, levando a distorcer a questão. O meu Pai bem insistia” a História é feita de factos; mas cada facto tem a sua história. Há que ter cuidado e conhecer os factos e as razões, para se não distorcer a história”(isto a propósito da delirante questão da “mentira” que é o chamado Brasão de ílhavo.
Adiante. Passo a transcrever o que exponho no Ensaio Monográfico :


Em 1865, à profunda crise política viria juntar-se a pior colheita agrícola de sempre. O desemprego e a criminalidade atingem níveis nunca alcançados. O país via nos suicídios individuais que, grassavam por todo o lado, a aproximação do suicídio colectivo. Os tumultos surgem por toda a parte.Em particular pela região de Aveiro, com o povo a indignar-se contra o imposto de consumo, entretanto criado. Tentado um plano de emergência e de estabilidade, não se vislumbraram, contudo, quaisquer consequências positivas. Importadas do exterior vão chegando as críticas demolidoras do liberalismo. Oliveira Martins é um dos arautos da transmissão desse estado de espírito, acusando os políticos, o parlamentarismo e os partidos, de serem a causa de todos os males. A política, afirmava-se, quando reduzida a uma mera competição partidária e parlamentar, era um estorvo, sendo por isso preciso, inadiável – apregoava-se nos últimos anos do século – engrandecer a realeza para a transformar no poderoso agente da civilização, necessário para defrontar os novos desafios. Era assim justificada a necessidade de um novo governo que, apoiado na autoridade real e sustentado pela apoio e pela adesão das camadas populares, fosse capaz de pôr de lado as práticas conciliatórias, empreendendo reformas vigorosas, musculadas, que permitissem ir de encontro aos interesses instalados.
Desta situação irá surgir, de novo integrado num governo regenerador, João Franco, que, assumirá papel determinante na função legislativa. Ainda que, levada a cabo com o parlamento encerrado, o que pré-configurou a prática de uma ditadura, desculpabilizada com o facto de ser provisória e condicional. João Franco vai assim proceder a uma profunda reforma administrativa com que pretendeu acabar com os influentes e com o interesse dos campanários.Para lá das mudanças no ensino, reformulou o exército, estabeleceu quotas de representação no parlamento e introduziu profundas mudanças constitucionais. Assim classificou os concelhos por ordem (primeira, segunda e de terceira categoria), fixando que, os pequenos concelhos sem capacidade para satisfazer as necessidades básicas deverão ser agregados aos maiores. É nesta mudança, neste novo panorama administrativo, que se irá decretar a inclusão do Concelho de Ílhavo no de Aveiro.
Para a esquerda progressista, os concelhos deviam ser comunidades independentes. Para Franco, positivista, o que contava eram os factos históricos: os municípios e paróquias só faziam sentido conforme tivessem, ou não, recursos para prestar serviços de modo a poderem cumprir uma função social. Por isso, na sua ideia, haveria que acabar com os municípios inviáveis, integrando-os nos grandes municípios.
Mas o que a reforma administrativa – que centralizou o país em trinta e três círculos eleitorais – visaria seria, acima de tudo e fundamentalmente, controlar o voto, no sentido de que a votação dos grandes centros urbanos não fosse pulverizada pelos voto rural (normalmente reaccionário, clerical).
O Decreto de 28 de Março, revogando a Lei Eleitoral, vai permitir que a área dos círculos eleitorais coincida com os distritos administrativos, com o que se pretendeu conceder representatividade às forças minoritárias. Para conseguir esse desiderato, alguns pequenos concelhos são anexados aos concelhos mais representativos da área.
O Decreto de 21 de Novembro de 1895 vai nesse sentido fixando a anexação do Concelho de Ílhavo por Aveiro. Em acta da Câmara Municipal de Ílhavo dessa data[1] dá-se por extinto o concelho, de que era na altura presidente Augusto Oliveira Pinto e vereadores João César Ferreira, Henrique Cardoso Figueira e José Maria da Silva Valente, nomeando-se para administrador na nova orgânica, o Dr. Mário Duarte (conhecida figura do desporto aveirense, que contava em Ílhavo com grandes amizades).
Naturalmente, e apesar disso, o facto não foi bem aceite na terra, tendo-se formado uma Comissão para a Restauração do Concelho, cujos ecos se fizeram ouvir em toda a imprensa da região e chegaram ao parlamento.
A integração iria durar pouco tempo e não teria nenhuns efeitos perduráveis. A situação económica e financeira do país piorava e era já previsível a queda do governo de Hintze Ribeiro e João Franco. A Lei Eleitoral já em 1896 fora corrigida; Franco reconheceria que a sorte dos Governos dependia da prosperidade do País. O próprio Luís de Magalhães, ilustre aveirense, seu amigo, ter-lhe-ia afirmado: tenho graves dúvidas sobre o êxito da sua politica.[2]
Portugal definhava e o rei D. Carlos concluiu que aquele governo já não tinha qualquer préstimo, nem para o rei, nem para o país.
O governo cairá a 6 de Fevereiro de 1897. Era o fim de quatro anos de governo regenerador e o regresso do Partido Progressista com José Luciano de Castro.
Por Decreto de 15 de Janeiro de 1898, o concelho de Ílhavo será novamente reformulado e recupera a sua autonomia administrativa. Forma-se nova câmara; a primeira acta pós este período de anexação data de 28 de Janeiro de 1898, sendo o cargo de presidente ocupado por Ferreira Pinto Basto (documento 61).
Nessa data, o ilhavense José Barreto[3] dedicou ao acontecimento um soneto que, por curiosidade, aqui se reproduz:

 “Assente sobre um vasto e fértil plano, Em ruas amorosamente repartida,
De estradas, largos, praças, guarnecida, Com mui saudável clima em todo o ano
Perfumada pela brisa do Oceano Por aldeias Formosas envolvida Mãe de nautas valentes, cuja vida
É um poema d’ingente esforço humano
Marítima, piscosa, industrial, Formosa, alegre, activa e ilustrada De importante labor comercial,
Este é d’Ílhavo a terra abençoada Hoje enfim, do concelho a capital Esta é a ditosa pátria minha amada”








Não houve, pois guerra nenhuma entre “lampadários” e “cagaréus”. Mário Duarte até foi um simpático e activo colaboracionista, ao incitar e apoiar ,em Ílhavo ,o aparecimento do futebol.
E foi daí que nasceu a simpatia dos “ílhavos” pelo Belenenses,de Mário Duarte.
Mas à falta de melhor-porque não a integração das Galefenhas no Concelho?- atirem-se os foguetes... e colham-se as canas.
Senos da Fonseca






[1]         Ver documento 60 onde se inscreve, no Livro da Câmara, O Fim do Concelho, A.C.M.I..

[2]         José Mattoso, citando Cavalheiro, em João Franco e Luís de Magalhães, pp. 14 e 15.

[3]         José Barreto foi um ilustre ilhavense, indivíduo muito talentoso, actor nas peças O Camões do Rocio, Côroa da Loira, Opressão e Liberdade. Ironista admirável, poeta satírico de merecimento, foi um homem sempre interessado em iniciativas em prol da nossa terra. (In O Brado, de 19/12/1914).


Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...