quarta-feira, julho 30, 2014




 Até que o mar nos separe…

Razões de força maior, impediram-me, como contava, de estar presente ao lançamento do primeiro livro de Maria José Santana.
Apressei-me nesse mesmo dia, a dar, à autora, conta do impedimento. E a prometer que leria o livro, tão cedo quanto ele chegasse às minhas mãos. E que depois, com amizade, lhe daria a minha habitual e desassombrada opinião.
Creio que um grande problema com que se deparam os autores, em Ílhavo, é a falta de uma discussão acerca do que se vai publicando. Assim o autor terá imensa dificuldade em apreciar, no seu próprio interesse, o feedback dos leitores. E é claro. Há bons e maus trabalhos. E depois, sucede o vazio….o autor não sabe se lhe vale a pena teimar, e continuar a trabalhar, no sentido de fazer, mais  e melhor….

Vamos então à história de um amor galopante, que nasce, cresce… e fenece … como tantos que naquela altura (grande guerra) deverão ter morrido na praia. Durado apenas a emoção de um momento, em  que a intensidade da  realidade  que os rodeia, lhe recriam dimensões de eterna duração: para todo o sempre, como sói dizer-se. O que a realidade contesta.
E é verdade: o amor não se alimenta de tempo, mas de intensidade.
Maria José Santana escolhe um cenário para colocar as suas personagens (e fez bem … apelando à simpatia do cenário da pesca do bacalhau, sempre bem recebido pelos leitores tradicionais), sem contudo fazer sobreviver a sua história em episódios daquele historial. Não, aqui não há caldeirada…
A leveza do livro é patente. Poucas personagens (talvez poucas em demasia...),rapidez mágica na fase inicial da paixão, e depois, um talvez apressado esbatimento do provável (e ensaiado) conflito de cedências, para que tal amor sobrevivesse. O acto de posse amoroso, é um pouco forçado, pela caracterização (evolução) do conhecimento, nascido entre as personagens. E para meu gosto, rápido em demasia, um pouco em contraste com as figuras que (anteriormente) nos foram descritas. E teria sido certamente muito mais eloquente se acontecido entre o rolar dos calhaus na praia.
Lê-se bem o livro, o que é o mais importante. E a experiência abre as portas, à autora, para outros voos mais alargados e ambiciosos. Estamos claramente perante uma profissional da escrita. Talvez o que ainda não tenha chegado é a ousadia.
Parabéns MJS.

Senos Fonseca   

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...