terça-feira, dezembro 09, 2014




 

PRESÉPIO

Muito embora a minha relação com a religião seja nula, sempre respeitei  as ideias diferentes  da família(e claro,de todos….).

Que como quase todas as educadas num ambiente profundamente católico, cristão, não perdem a oportunidade de, no Natal, misturar o pagão com o religioso. E assim colocam a árvore ao lado do presépio. Símbolos de que os mais novos  gostam sempre.

Apesar de todas as circunstâncias, há dias, foi-me perguntado se este ano não se fazia o presépio? Claro !... vamos pedir a quem o saiba fazer….E o presépio e tudo o resto, enfeitam já a casa. Que parece talhada para fazer sobressair estes símbolos natalícios. A tal ponto que ela me sugeriu o poema natalício que irei oferecer aos meus amigos.

 Mas, admirado fiquei, quando o  mais novo cá de casa, me perguntou.

Porque  estão ali o Boi e o burro, e o que querem dizer?

Excelente questão. Tenho a impressão que uma grande maioria não sabe  o porquê….e lá fui explicando.

Olha  pá!....a presença do boi e do burro, é «relativamente» recente, isto é ,muito mais nova do que a descrição do nascimento de Jesus (um dos episódicos bíblicos da vida de Jesus).
Um  evangelista apócrifo (e lá tive de explicar o que isso significava), que ficou conhecido pelo pseudo-Mateus (este, Evangelista bíblico) inventou a presença do boi e do burro, no Século VI da nossa era.  Fê-lo  na convicção do profeta Hacuc, quando este  augura «Tu Te manifestarás no meio de dois animais». Ora o profeta Isaías tinha dado a imagem de «que o boi conhece o seu proprietário; e o burro, a manjedoura do seu mestre». Assim o  apócrifo  pseudo –Mateus associa essas profetizações, e concebe a presença no  presépio destes dois animais. Daí em diante presépio sem boi e burro, não é presépio que se preze.

E na ideia popular logo se deu uma utilidade da presença  dos animais : a de aquecimento do menino.
 - E porque não pôs um cão, que reúne as duas características daqueles?

 SF

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...