terça-feira, dezembro 17, 2013


Eu e a minha má relação com os «Natais»

 
Gostaria de viver utopicamente num mundo onde não fosse necessário haver «natais», para, por vezes  e só aí, nos lembrarmos para fora. Para todos os que nos rodeiam. Uns  para quem olhámos mais. Não precisariam de…. Outros de quem até certamente, apesar de tão próximos, nem demos por eles.
Parece que só no Natal, nos apercebemos de que durante o ano errámos (inadvertidamente?) os gestos.
Bem : valha-nos ao menos termo-nos apercebido, momentaneamente, disso.
Os «natais» foram sempre um tempo de grande amargura. De mal-estar e inquietação. Tempo de avaliar que o que fui fazendo, que quase sempre esteve em desacordo com o que queria realmente fazer. Ou pelo menos longe…..
Afinal olho para trás, e concluo: fui um acomodado.
Aqui chegado, concluo que não vale a pena ter pena de mim, por me não atrever a mudar.
Também nos meus «natais» havia pratos fingidos, postos em cima de toalhas fingidas, com trenós e renas, cheios de vitualhas que, fingidamente, se acreditava existirem em todas as mesas. Porque o fingido «Pai Natal», não cometeria o sacrilégio de as dar só a alguns. E logo a mim…..
Andei uma vida a prometer-me, que um dia iria finalmente para um qualquer lado, onde houvesse um qualquer rio, para nele voltar a pôr a navegar os barcos de papel que levavam as pedras preciosas dos meus sonhos de criança.
Agora que já não há rios, nem barquinhos, e muito menos sonhos, abstraio-me, esperando que as horas corram. E minimizo , aqui e ali, só pontualmente, as coisas. Como já não estou em lugar algum que me permita modificar seja o que for, não o altero. E não me incomodo. Vou para a cama sem projectos .
 E percebo então porque há muitos que dormem sempre bem !São os que andam uma vida a acreditar que os «pais natais» chegam e sobram para resolver os problemas dos outros....
SF - Natais

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...