terça-feira, dezembro 24, 2013


 

NATAL 2013

 
O relógio não para
O tempo corre
Neste dia afinal, frio e zangado,
A ria palheteada de prata
Parece cansada
Da sua peregrinação
De tanto correr para o mar.
E eu também cansado
Fico a desouvir  o mundo
Onde reina humana  expiação.
 

É  frio este entardecer
Não vale a pena fingir
E rezar por mim.
Não, não o faças.
Cheguei à vida
Porque assim quiseram.
Cheguei a sorrir,
Eu não sei bem se o desejava.
Não sabia que ia cumprir
Um fadário em que me negava:
Mais  fazer pelos outros
Que por mim não ser.

 
Hoje  anseio
Nova noite de magia
Em que nasças de novo;
Não  para seres mais o menino
Mas para seres o Homem
Que com a palavra derrubasse o muro
Para que por ele passem
Aqueles para quem não há presente,
E muito menos futuro.

Quereria ainda antes de partir
Ter a doce ilusão
Uma ilusão do tamanho
Do  meu eu
Que a humana pequenez
Do espoliado revoltado
Ferisse a «fera» do mundo;
E quando a manhã nascesse
Não houvesse ricos nem pobres
E o homem fosse o centro da bandeira
A  querer ser sem condições
A olhar livre, todas as direcções.

 
E quando hoje deixasse de ser hoje,
Este obscuro poema
Transformado presépio real
Pudesse gritar ao mundo:

Afinal sempre há  Natal!

 Sf-Natal 2013

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...