domingo, agosto 03, 2014



(Como ontem foi forte, e impeditivo de enviar  a algumas Amigas,  o link.....hoje envio um suave e terno lírio negro)



Dizer o teu nome.

 

Gostava que o teu nome fosse

Um dos três últimos a pronunciar

Quando a lucidez da vida se esvaísse.

E a luz do sol me falhasse no brilho
 
do olhar.

Mas eu sei lá:

No fim não há

 voz nem alento
 
E por vezes nem sequer, momento.

 

Por isso hoje

Antes que a vida me traia

Vou gritar ao vento

O teu nome.  (I.....).

 

E diga- o, ou o não diga,

Naquela derradeira hora

Prometo essa lealdade última

E por isso quero afastados os engulhos

Todos esses pedregulhos

Que nos fizeram tropeçar na vida.

E quando  a lua pairar sobre a ria
 
Ou voar, correndo com o vento
 
Nessa hora fria,saberei,amor
 
Onde  tu estás .....Quero ir para aí.
 
 
 SF

 

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...