domingo, agosto 24, 2014




                    O nome dos meus errados amores


                                   Este meu reduto de amor

                                    Tem os quatro cardeais;

                                    A norte tem lá a areia

                                    A oeste tem lá o mar

                                   A nascente tem ele a ria

                                   A sul: o resto... e tudo mais.


                                Do norte sopra o vento, sopra o vento

                                 Mês desabrido, luares de agosto

                                 Bate agreste no meu rosto,

                                 Este duro vento de Agosto.


                               De nascente, vem o sol,  e o azul profundo;

                              Dos riachos, a frescura  que verte lá dos altos.

                              Transpõe  as pontes onde paira a sereia nórdica.  

                               Soltam-se as gaivotas num eterno sobressalto.

                              

                               Do Oeste vem lá do mar

                               Encantamento de sereia.

                               É a alfazema do mar, que os pássaros perfumados

                                Vão trazer até mim, para de todo me inebriar.


                                Do Sul vem o vento profundo

                                Muito distante, vento acabado, que tempo será?

                                Será o que traz na minha voz dorida

                               O nome dos meus errados amores, será?

SF Agosto 2014
                             

Sem comentários:

De dúvida em dúvida...vamos aprendendo. Se há parte da História de Portugal que nos foi mal “vendida” nos bancos da Escola, foi a da ...